Transamérica Resort na Ilha de Comandatuba vira refúgio para isolamento social na pandemia

Complexo hoteleiro no sul da Bahia funciona sob sistema all inclusive e oferece atividades para crianças e adultos

28 novembro de 2020

Sol, praia e isolamento social: essa foi a combinação que escolhemos para um curto período de férias em outubro de 2020. A proposta era passar alguns dias longe de casa, principalmente depois de sete meses saindo apenas para o necessário. Nesse caso, nossa escolha foi pautada pela segurança.

O Transamérica Resort na Ilha de Comandatuba é um complexo hoteleiro localizado no sul da Bahia em uma ilha com praia privativa – o que evitou a dor de cabeça de frequentar as praias com aglomerações cabulosas que sempre vemos nos noticiários. Além disso, por conta das imposições causadas pela pandemia, o hotel estava com capacidade reduzida (cerca de 50% na segunda quinzena de outubro) e também adotou diversos protocolos novos pra garantir a segurança e tranquilidade dos hóspedes.

Uma das novidades, por exemplo, acabou trazendo um problema: o uso de plásticos. Desde sua inauguração no final dos anos 1980, o Transamérica Comandatuba é pautado pela sustentabilidade. Possui projetos de preservação do meio ambiente, de animais da região, e trabalha para reduzir os danos em vários aspectos. Com a pandemia, o hotel teve de aderir ao plástico como uma forma de proteção extra aos hóspedes. As toalhas de banho e de piscina são ensacadas individualmente e colocadas lacradas no quarto. A estratégia foi adotada até mesmo para itens que não possuem reposição, como o telefone fixo e controle da televisão do quarto – ambos são envoltos em um plástico para evitar a contaminação.

Os novos protocolos também estavam presentes no salão de refeições. Além do uso obrigatório de máscaras, os hóspedes agora precisam usar luvas de plástico para se servir no buffet. Eu mostro isso nos vlogs que gravei por lá – clique aqui para assistir!

A questão das máscaras é um ponto de alerta que me senti na obrigação de compartilhar por aqui. Explico: apesar de serem obrigatórias, nem todos os hóspedes respeitam a regra. O incômodo era maior quando isso acontecia no salão de refeições. Não houve uma refeição sequer em que não nos deparamos com algum hóspede transitando pelo buffet e se servindo sem fazer uso de máscara. Sempre tinham funcionários do hotel por perto, mas não houve nenhum tipo de alerta – ainda que na entrada do salão tenha uma placa informando o uso obrigatório do item de proteção.

Quando estávamos na metade de nossa estadia, conversamos sobre isso na recepção do hotel, esperando que houvesse alguma forma de fiscalização por parte dos funcionários ao menos no buffet, área em que a comida fica exposta e que, sem o uso da máscara, é um prato cheio para a contaminação. Fomos informados de que o maitre iria supervisionar e orientar os hóspedes que descumprissem a regra, mas isso aconteceu apenas naquele mesmo dia. No dia seguinte, não houve mais qualquer tipo de orientação por parte do hotel – o que se seguiu até irmos embora.

Creio que esse tenha sido nosso maior desconforto durante o período em que passamos por lá – afinal, “flexibilizamos” ao frequentar o hotel, mas ainda estávamos preocupados com a pandemia e, é claro, com o cumprimento de todas as regras por parte dos hóspedes e a fiscalização das mesmas por parte do hotel.

Comida não é problema: Transamérica funciona sob sistema all inclusive

Aproveitando a temática gastronômica, já adianto que a comida não é preocupação no Transamérica Comandatuba. O hotel funciona no sistema all inclusive, em que os hóspedes têm direito à todas as refeições completas, além de petiscos na piscina, lanche da tarde e ceia. O mesmo funciona para as bebidas – com alcoólicos inclusos. Essa comodidade faz total diferença! São várias opções de pratos todos os dias, que variam conforme o “tema” da noite, como comida italiana ou baiana. O buffet de sobremesas também não decepciona e traz diversas opções – o creme brulée e a cocada ao forno são imperdíveis!

Além do restaurante tradicional, onde acontecem todas as refeições, o hotel também possui quatro restaurantes temáticos: comida baiana, comida mediterrânea, comida japonesa e pizzaria. Os hóspedes têm direito a escolher dois deles mediante reserva com o concierge. Gostamos muito do mediterrâneo!

Os apartamentos tradicionais ficam no bloco principal do hotel, mais próximos ao restaurante e à piscina. Apesar de não serem novíssimos, oferecem a estrutura para uma estadia confortável. Outra opção de acomodação são os bangalôs, que ficam mais distantes dessa área, e por isso garantem maior privacidade – mas essas instalações estavam desativadas por conta da pandemia.

Apesar de ser um hotel cinco estrelas (ou seja, espera-se um serviço e instalações de primeira qualidade), tenho algumas ressalvas em relação à manutenção das áreas comuns.

A parte interna da piscina, por exemplo, é feita com uma espécie de plástico, que descola em muitos pontos e aparenta estar sujo. Do lado de fora, ainda na área da piscina, vimos espreguiçadeiras de metal, mas todas as cadeiras e mesas são de plástico – o que desvia de uma categoria 5 estrelas.

Variedade de atividades para crianças e adultos

Nossa estadia no Transamérica Comandatuba foi de sete diárias, o que nos permitiu ter tempo para explorar muitas atividades. O caiaque e arco e flecha, por exemplo, são atividades gratuitas e que não precisam de agendamento. Para hóspedes que não dispensam o exercício físico, há aulas de spinning, hidroginástica, funcional e corrida na ilha.

Sem dúvidas, o que mais aproveitamos foram as quadras de tênis. São 10 quadras rápidas em um super complexo que qualquer tenista adoraria – o local, inclusive, recebe eventos e campeonatos. O uso das quadras é gratuito até às 15h; depois desse horário, é cobrado R$ 15 por pessoa para uso da iluminação. Como a capacidade do hotel estava reduzida, conseguimos usar tranquilamente as quadras no período da manhã.

Ainda que pagas à parte, as atividades náuticas são interessantes para explorar a ilha como um todo. Fizemos um passeio de barco pelo canal que separa o continente da Ilha de Comandatuba e fomos até seu encontro com o mar. Estávamos em quatro pessoas em um barco exclusivo, então pudemos aproveitar em família as belezas do lugar. Foi uma delícia! Também há passeios fora do hotel, como visita à fazenda de cacau (o fruto é super comum por lá) ou city tours por cidades próximas, como Ilhéus, Canavieiras ou Itacaré.

O Transamérica também possui um spa, que oferece tratamentos e massagens relaxantes. A tabela de valores pode ser facilmente solicitada ao concierge pelo WhatsApp. Antigamente, o local funcionava com o apoio da L’Occitane.

Espero que meu relato tenha contribuído para quem estava em dúvida sobre viajar durante a pandemia! Tivemos uma ótima experiência no Transamérica Comandatuba, com vários momentos de total isolamento social e bastante tranquilidade. Recomendamos 🙂

autora da matéria Bárbara Pereira
compartilhe
comentários
comentários

Acompanhe no YouTube

Siga no Instagram @barbara_pereira

Foto meramente ilustrativa pra te perguntar: já acessou meu site novo? Gostou? Me manda sugestões de destinos e matérias que você quer ver por lá! O link dele tá na minha bio 💛✨
O Blog da Bárbara vai acabar. Ao longo dos últimos oito anos, ele foi o meu espaço para aprender sobre internet, produção de conteúdo, marketing digital, SEO, entre tantas outras coisas… E hoje consigo afirmar com todas as letras que ele fez total diferença pra eu me tornar a jornalista que sou hoje.
Hoje fomos conhecer o @carat.oficial, um espaço que abriu recentemente aqui em São Paulo e que reúne restaurante, rooftop e balada. O restaurante tem cardápio assinado pela chef @daysepaparoto_oficial, campeã do Masterchef Profissionais, e já adianto: tudo estava incrível! Da gastronomia ao atendimento, tivemos uma experiência ótima 💛
você e sua amiguinha quer subir na minha motinha? 🤪
O que eu queria fazer nas minhas férias: passear por Paris. O que realmente estou fazendo: lendo um livro que se passa em Paris 🙃
FAÇA UM PEDIDO ❤️🇮🇹 A Fontana di Trevi é uma fonte gigantesca construída há mais de três séculos. É um dos maiores símbolos da Itália, então atrai milhões de turistas anualmente para jogar moedas na fonte e fazer um pedido – tradição clássica, né? O mais legal é que essas moedas são constantemente recuperadas e doadas para instituições de caridade. A Fontana também apareceu diversas vezes em filmes, como no clássico ‘La Dolce Vita’.
matérias relacionadas