Gastronomia

Le Bife: vale a pena ir ao restaurante do Jacquin?

| 14 de outubro de 2019

Será que os restaurantes dos Masterchefs merecem todo esse hype? Fui conhecer o Le Bife, cujo cardápio é assinado pelo chef Erick Jacquin, e aqui compartilho minha experiência.

Fomos ao restaurante com o guia Dois por Um, que já comentei aqui com vocês e expliquei como funciona. O guia dá direito a dois cortes de carne pelo preço de um. Eu fui de entrecôte premium black angus, mas há também filet mignon, fraldinha, filet mignon de cordeiro, bisteca de porco, salmão grelhado e escalope de frango korin. Independente do corte escolhido, ele será servido com um molho à sua escolha e vários acompanhamentos à vontade disponibilizados em formato de rodízio.

O entrecôte era muito bem servido e macio, estava perfeito! Entre os acompanhamentos, destaco as batatinhas fritas – crocantes, ótimas para acompanhar a carne. Há também opções como lasanha vegetariana, creme de espinafre e legumes assados.

De sobremesa, o petit gateau é tradicional e acompanha “assinatura” do chef, mas é pequeno. Sugiro que vá de creme brulèe, que não decepciona em nada com a casquinha quentinha em contraste com o creme gelado. 

E aí, valeu? Muito! Estava tudo delicioso. A conta facilmente alcança os 150 reais por pessoa, mas é um preço honesto pela qualidade entregue. Super recomendo!

Clique aqui para ler mais sobre GASTRONOMIA!

Ir para Post

Gastronomia

Dois Por Um: quais restaurantes vale a pena conhecer com o guia 2019?

| 2 de junho de 2019

Vocês já ouviram falar no Dois Por Um? É um guia pela cidade de São Paulo em que todas as atrações, restaurantes e bares oferecem promoções no formato pague um, leve dois. Conhecer lugares novos e provar comidas diferentes é algo que nossa família adora fazer, então não pensamos duas vezes em comprar o livrinho e colocar em uso quase que em todos os finais de semana! 

Até o momento, todos os restaurantes que fomos retirava o prato mais barato da conta. Alguns também têm regras mais específicas, como escolher pratos apenas de massas para entrar na promoção. De qualquer forma, o desconto realmente vale a pena! O livro custou uns 120 reais e compramos dois, porque somos em quatro pessoas. Se formos considerar que os restaurantes são bem conceituados em São Paulo e os pratos saem, em média, por 60 reais, o livro acaba sendo “pago” logo na segunda saída! Incrível, né?

A lista com todos os restaurantes, bares e atrações estão no site oficial, onde também são divulgadas as vendas do livro. Eles são super concorridos e esgotam muito rápido, então vale ficar atento por volta de novembro para conseguir seu exemplar.  

Aqui nesse post, trago os lugares que mais gostamos de conhecer por meio do livro. Vou atualizando ao longo do ano, sempre que encontrarmos algum lugar que vale a pena compartilhar com vocês. Anotem as dicas e não deixem de procurar o livro nos próximos anos!

Pecorino Cucina Mediterrânea @ Rua Natingui, 1558 – Pinheiros, São Paulo

O que comemos: Cordeiro com gnocchi de sálvia (R$65), bife ancho com risoto de champignon (R$69) e bacalhau ao forno com legumes (R$68)

Economia: R$130

MiCi @ Rua Ministro Ferreira Alves, 244 – Perdizes, São Paulo

O que comemos: Brusquetas caprese com tapenade de azeitonas com castanhas (R$23), costela suína com molho da casa e purê de mandioca com brie (R$59), bife de chorizo com manteiga de cogumelos, purê de couve-flor, lascas de parmesão e farofa de castanhas (R$69) e moqueca de pirarucu com jasmin ao coco e farofa de limão (R$64)

Economia: R$118

Jamile @ Rua Treze de Maio, 647 – Bela Vista, São Paulo

O que comemos: Cupim de sal com mandioca amarela e farofa de banana (R$78), moqueca baiana de peixe branco, com camarão e farofa de mandioca com pimenta e coentro (R$78), ragu de rabada com nhoque de batata e agrião (R$78), salmão com crosta de pistache, creme de aspargos e aspargos grelhados (R$84), doce de banana com ganache de chocolate 70%, chantilly de doce de leite e farofa de castanha do Pará (R$23) e charuto de chocolate – massa crocante de chocolate meio amargo, recheada de creme patisserie com Callebaut e sorvete de pistache (R$28)

Economia: R$156

Praça São Lourenço @ Rua Casa do Ator, 608 – Vila Olímpia, São Paulo

O que comemos: Costeleta de vitelo empanado com pão e ervas e assado no forno a lenha, acompanha nhoque de abóbora na manteiga de manjerona e picles de cebola roxa (R$89), lombo de bacalhau assado ao forno sobre camada de pimentões aromáticos, batatinhas e cebolas douradas (R$107), bife de chorizo de Angus na grelha, vegetais e batata suflê (R$95), risoto de camarão com limão siciliano e tomate crocante (R$95)

Economia: R$184

El Carbón @ Rua Pamplona, 1704 – Rooftop (4º andar) – Jardins, São Paulo

O que comemos: Fideuá (massa típica espanhola) com camarões grelhados no carvão e molho bisque (R$96), bacalhau confitado e assado no carvão, com batata, cebola e ovo cozido (R$107), Ancho ao molho gorgonzola e batatas rústicas (R$89), paleta de cordeiro com purê de cará, brócolis tostado e farofa de castanha do pará (R$89), torta Santiago com creme inglês e sorvete de panna cotta (R$28) e mini churros com doce de leite e bananada (R$28)

Economia: R$178

Ir para Post

Gastronomia

Bistrô Paris 6: o hype é real?

| 14 de outubro de 2018

Foto: www.acheiusa.com

Nessa edição do Restaurant Week (28/09 a 21/10), fomos provar alguns itens do cardápio famosíssimo do Paris 6. Todos os pratos recebem nomes de famosos, que costumam frequentar as unidades de São Paulo, Rio de Janeiro e mais outras cinco cidades brasileiras. A única unidade no exterior, localizada em Miami, fechou em julho deste ano. Mas e aí, será que o hype é real? Aqui, divido com vocês minha opinião (e a da minha família) sobre o Paris 6.

Restaurant Week é um festival gastronômico no qual os restaurantes participantes montam um cardápio especial com algumas opções de entrada, prato principal e sobremesa por um preço fixo. Nessa edição, o almoço sai por R$46,90 e o jantar custa R$58,90.

Entre as três opções de saladas como entrada, pedimos a Caprese. A apresentação era simples demais comparada ao padrão conhecido da casa. Veio um pedaço super pequeno de mussarela de búfala – e, no meu prato, ela nem veio.

Os pratos principais foram a melhor parte: todos estavam incríveis! Pedi um gnocchi de brie com molho de queijos e estava divino! Minha mãe fez a mesma escolha e também adorou. Meu pai preferiu um frango à parmeggiana gratinado com queijo emmental e meu irmão foi de picadinho de carne. Tudo estava delicioso, quente e muito bem servido.

Pra finalizar, sobremesas! O clássico do Paris 6 é o GrandGateau, um petit gateau com picolé disponível em mais de 40 versões. A opção do Restaurant Week era feito com banana picada, calda de creme de avelã, raspas de côco e picolé de cocada cremosa. Pro nosso paladar, é doce demais e acaba sendo enjoativo. Pedimos também o tradicional creme brulée, um creme de baunilha coberto com casquinha de açúcar queimado. O sabor estava bom, mas o creme poderia estar mais gelado e a casquinha mais quente.

No geral, foi uma experiência ótima levando em conta a qualidade da comida e o tamanho das porções. Saímos bem satisfeitos. Única coisa que vale a pena mencionar é o cardápio físico do Paris 6 no Restaurant Week: ele não existe. Frequentamos o festival há anos e esse foi o primeiro restaurante que pediu para acessarmos o cardápio em nosso próprio celular, em vez de fornecer um cardápio simples (e que é padrão do RW) com as opções para escolhermos. 

E você, já conhece o Paris 6? Gosta dos pratos servidos por lá? Me conta! 🙂

Ir para Post

Gastronomia

Zé do Hamburguer: minha hamburgueria favorita em SP!

| 14 de junho de 2018

Já faz anos que provei as delícias do Zé do Hambúrguer pela primeira vez. Posso dizer que foi amor à primeira vista! Desde então, apesar de conhecer as mais diversas hamburguerias de São Paulo, acabo sempre voltando lá vez ou outra pra comer meus favoritos da casa. 

O ambiente é todo inspirado nos anos 50, então espere encontrar Elvis Presley tocando no jukebox e até mesmo uma réplica de um Ford 1951 em forma de mesa. São diversas opções de hambúrgueres, hot-dogs, milkshakes e porções no cardápio, sendo que os lanches levam nomes divertidíssimos, como “X-Vespa Burger”, “Rock n’ Roll” e “Cadillac”.

Um dos best-sellers da casa é o James Dean (foto acima), formado por hambúrguer de fraldinha, queijo, creme de cebola, farofa de bacon e maionese artesanal. Abaixo, outro destaque: o lanche Jukebox vem no pão australiano com hambúrguer, creme de cheddar, relish de pepino artesanal, bacon e maionese artesanal. Além disso, esse último ainda acompanha fritas. 

Outra opção bem bacana é montar seu próprio lanche com os ingredientes de sua escolha – mas, claro, inclua o apetitoso creme de queijo. Para acompanhar, vale a pena pedir as batatas rústicas com alecrim, que têm corte artesanal e são incrivelmente deliciosas. Se for dividir entre a família, peça também as clássicas onion rings artesanais (cebola empanada).

Fica aqui a indicação para vocês conhecerem o Zé do Hambúrguer e seus lanches deliciosos! O resturante fica em Perdizes, na Rua Itapicuru, 419.

Garanto que vão gostar 🙂

Ir para Post

Gastronomia

Hamburgueria em SP: O Burguer

| 10 de novembro de 2017

Esses dias fui conhecer O Burguer, uma hamburgueria que fez um super sucesso no ano passado porque servia lanches imitando fondue – as batatas são enfiadas dentro do pão, junto com muito queijo cremoso. Apesar da minha curiosidade desde o começo, só conheci agora e hoje trago a minha opinião do lanche pra vocês, assim como a opinião dos meus amigos que foram comigo!

1. Gotham City“Achei o meu hambúrguer delicioso, não achei a carne seca, pelo contrário, estava no ponto que eu tinha pedido. A única observação que eu queria frisar era sobre o pão, achei um pouco maçudo, mas fora isso, uma delícia” – Hawinne

2. Eddie O’Hare: “Foi um dos melhores hambúrgueres que eu já comi, era bem recheado, com muito sabor e não era seco como normalmente é vendido em outras hamburguerias” – Pedro

3. Delta: “O lanche estava muito bom! Eu pedi sem o ovo. O chimichurri estava show e a cebola era agridoce, muito boa” – Bruna 

4. Chicago: “O hambúrguer era delicioso! O queijo brie dá um sabor diferente, fica muito bom. E o crocante também deu um toque especial” – Bárbara

5. The Loop: “Eu achei o conjunto em si gostoso, mas eu esperava mais do molho de queijos, e não achei o hambúrguer tão suculento, mas no geral o lanche estava bom. Não superou minhas expectativas, acho que é mais um lanche bonito do que gostoso” – Yasmin

6. Miles Davis: “Eu gosto muito do agridoce, do abacaxi e da farofa de castanha do pará. Casou muito com o sabor do hambúrguer. Pedi só pra trocarem o hambúrguer porque gosto muito da carne suína” – Iury

No geral, dá pra perceber que gostamos muito dos lanches, né? Eles eram grandes e custavam entre 30 e 40 reais.

Endereço: Av. Moaci, 806 – Moema, São Paulo

Ir para Post