Viagens

Miami: o que fazer e onde comer na cidade litorânea mais famosa da Flórida

| 16 de setembro de 2019

Miami costuma estar no topo da lista de destinos de quem vai fazer a primeira viagem internacional, isso porque a cidade fica próxima a Orlando – logo, da Disney, destino super comum. É uma cidade que transita entre ser cosmopolita e relax à beira do mar, o que permite uma variedade bem legal de atividades e passeios.

Por ser bem completa, é possível passar uma semana em Miami e sempre ter coisas novas para fazer! No entanto, reúno aqui o que tem de mais indispensável na cidade litorânea mais famosa da Flórida. Anote as dicas:

Parte da fama recente de Miami veio a partir do boom da arte de rua. O maior exemplo disso são as Wynwood Walls, murais de arte ao ar livre famoso pelas fotos instagramáveis e pela pegada streetstyle underground. O bairro é todo descolado, contando com armazéns repaginados, galerias de arte, bares noturnos e lojas de roupas que atraem o público jovem para uma região não tão nobre de Miami. A dica é se perder entre as ruas e se deixar levar pelos murais! 

Clique aqui e leia o post completo sobre Wynwood Walls

Caminhar pela orla de Miami fica fácil quando é pela Ocean Drive. A avenida é uma das mais famosas da cidade e permeia o bairro de South Beach, conhecido por sua arquitetura art déco. Também há diversos restaurantes, cafés, bares e baladas que transformam a vida noturna da região. Aos amantes da moda, a casa em que Gianni Versace foi assassinado fica na Ocean Drive – e ela representa muito bem a high society que frequenta o local esbanjando carros e roupas de luxo.

Se a ideia é encurtar o passeio pela Ocean Drive, mas conhecê-la de ‘cabo a rabo’, por que não apostar em um tour de bike? Alugar bicicletas (ou patinetes rs) virou um fenômeno mundial e o custo-benefício é ótimo se você não quer deixar de conhecer a região.

Outra avenida que também virou ponto turístico é a Lincoln Road, também em South Beach. Fomos em um domingo e estava super movimentada – não com carros, mas com comércio! Ela funciona como um shopping a céu aberto, com feirinhas de rua por todo lado. 

Se você curte NBA, não pode deixar de assistir a um jogo do Miami Heat quando estiver na cidade! A animação da torcida é incrível e mesmo que você não seja um super fã do esporte, garanto que vai se divertir ao ver de perto os maiores astros do basquete. 

Minha passagem por Miami não contou com nenhum restaurante mirabolante ou inusitado – muito pelo contrário, fui apenas em lugares que têm unidades espalhadas pelo país. No entanto, isso não significa que comi mal. Aqui, separei duas indicações que já ganharam posts únicos no blog e que valem o reforço.

Se existe um restaurante nos Estados Unidos que faz sobremesas incríveis, esse lugar é o The Cheesecake Factory! Apesar dos destaques serem os doces, os pratos principais do restaurante também são deliciosos. O preço é ótimo, levando em conta a qualidade das refeições oferecidas. Saiba mais sobre o The Cheesecake Factory clicando aqui.

As clássicas batatinhas em zig zag fazem a fama do Shake Shack. A rede de lanchonetes foi criada em 2004 como um carrinho de hot dog na agitada Manhattan. Hoje, está espalhada pelo país inteiro e faz o maior sucesso. Saiba mais sobre o Shake Shack clicando aqui.

Clique aqui e confira mais posts sobre a Flórida!

Por Marina Marques

Ir para Post

Gastronomia | Viagens

Cinco lugares para café da manhã na Europa

| 14 de setembro de 2019

Durante viagens, o café da manhã costuma ser a refeição que faço mais rapidamente e que exige verba menor – faz sentido por aí também?! Me preocupo em encontrar restaurantes e docerias diferentonas para o almoço e jantar, então acabo deixando de lado as pesquisas por cafés que abram cedinho. É claro que é possível encontrar opções ali mesmo, dando uma volta pela quadra do hotel ou procurando nas proximidades pelo Google Maps, mas é legal sempre ter em mente alguns lugares infalíveis, aqueles que têm filiais espalhadas por tudo quanto é canto. Aqui, indico cinco redes para você tomar café da manhã na Europa.

Eu não podia falar em cafés sem ao menos citar o Starbucks. É clássico e todo mundo conhece! Por isso nem vou me estender nele e já partir para as próximas sugestões.

Apesar de escrito em italiano, o Caffè Nero foi criado na Inglaterra e hoje já tem filiais por onze países. Outra britânica que faz sucesso é a Pret a Manger, dessa vez em francês, e que significa ‘pronto para comer’. Além dos cafés, ela também vende ótimos sanduíches. Para completar o trio das cafeterias do Reino Unido, temos também o Costa Coffee, que é a segunda maior cadeia de cafés do mundo – fica atrás apenas do Starbucks, claro.

Por fim, temos a Paul Boulangerie. A padaria francesa fundada em 1889 comercializa, é claro, itens clássicos da culinária francesa, como crepes, croissants e macarons. Hoje, pertence ao mesmo grupo da Ladurée, que faz os macarons (provavelmente) mais famosos do mundo.

Clique aqui e leia mais sobre VIAGEM!

Ir para Post

Viagens

Wynwood Walls: um passeio pelos murais de arte de Miami

| 24 de agosto de 2019

Conhecer os murais de arte mais famosos de Miami era parada obrigatória quando estive por lá. Já conhecia pelas fotos instagramáveis e sabia que a pegada streetstyle underground ia render ótimos cliques. Dito e feito! As chamadas Wynwood Walls (paredes de Wynwood, se traduzirmos para o português), ficam em um dos bairros mais badalados da cidade, mas que existe há pouco mais de uma década. Funcionam como um museu a céu aberto, com centenas de painéis de arte expostos pelas paredes de construções de Wynwood.

O bairro é todo descolado, contando com armazéns repaginados, galerias de arte, bares noturnos e lojas de roupas que atraem o público jovem para uma região não tão nobre de Miami. A dica é se perder entre as ruas e se deixar levar pelos murais! Aqui, deixo algumas fotos que fiz por lá. Bom passeio!

Clique aqui e leia mais sobre MIAMI!

Por Elizabeth Matravolgyi

Ir para Post

Viagens

Bruxelas, o coração da Europa

| 16 de agosto de 2019

Fomos conhecer Bruxelas com altas expectativas; afinal, estamos falando da cidade que é conhecida como o coração da Europa, isso porque é a capital da União Europeia e um importante centro da política internacional.

A verdade é que Bruxelas é uma cidade pequena e com poucos pontos turísticos, podendo ser facilmente visitada em apenas um dia. Uma possibilidade é dormir em Bruxelas por duas noites, assim em um dia você conhece a cidade, e no outro vai para Gante e Bruges – cidades que ganharão um post só delas de tão fofinhas 🙂

Aqui, indico os passeios mais legais para fazer se você tiver um dia para conhecer Bruxelas:

A Galeries Royales Saint-Hubert, criada em 1847, foi o primeiro centro comercial de Bruxelas. Até hoje é repleta de lojas com vitrines lindas, além de restaurantes e cafés clássicos. 

Basta andar um pouco por ela que você desemboca na Grote Markt ou Grand Place, a praça central da cidade. Como estivemos por lá no período das festas de fim de ano, estava tudo decorado com árvores de Natal, luzes e enfeites. Se você for na mesma época, vale a pena ver o show de música e luzes que deixa a praça lindíssima e iluminada!

O ponto turístico mais famoso de Bruxelas talvez seja o Manneken Pis, que nada mais é do que uma estátua retratando um menino fazendo xixi e que solta água, como se fosse uma fonte. Sim, só isso: bem pequena e em uma esquina normal da cidade, mas acabou se tornando símbolo de Bruxelas.

Se você vai visitar Bruxelas na primavera ou no verão, o Mont des Arts pode ser um passeio bem legal. É uma parte alta com vista para a cidade, onde estão localizados a Biblioteca Real da Bélgica, o Arquivo Nacional da Bélgica e um jardim público. Como fomos no inverno, o jardim estava bem ralinho, por isso acredito que no verão seja lindo! Além disso, por ser uma parte superior da cidade, deve render um pôr-do-sol lindíssimo.

Vamos para a parte mais interessante: comidas! Bruxelas tem vários pratos típicos e é claro que nós provamos todos! Começamos com o carbonades, uma espécie de carne de panela com molho de cerveja. Ela acompanha batatas fritas, outra coisa super típica da Bélgica e que você encontra em qualquer carrinho de rua! 

Agora, verdade seja dita: você não pode pisar na Bélgica e não provar os tradicionais waffles. Se possível, coma vários! Em cada cidade, barraquinha, restaurante, o que seja! Nós provamos com várias coberturas diferentes, mas meu favorito é com morango, nutella e chantilly – tem como essa combinação dar errado?

Como mencionei no início do post, Bruxelas é uma cidade mais importante do que necessariamente turística, mas vale incluir no seu roteiro caso tenha alguns dias pela Bélgica. Se você já foi pra lá, comente aqui qual ponto turístico acha indispensável 🙂

Ir para Post

Viagens

Como entrei de graça nos pontos turísticos de Paris

| 8 de agosto de 2019

Quando fazemos um planejamento antes de viajar, é comum estimar gastos com pontos turísticos da cidade – entradas de museus, parques e atrações gerais. Mas e se eu te disser que, pelo menos em Paris, eu consegui fazer todos eles de graça? Vou explicar.

Vários pontos turísticos não somente de Paris, mas de toda a França, são gratuitos para menores de 18 anos e para jovens entre 18 e 25 anos residentes da União Europeia. Como eu tenho cidadania e passaporte espanhol, consegui acessar várias atrações gratuitamente apenas apresentando meu passaporte. Lugares como o Museu do Louvre, Palácio de Versailles e Arco do Triunfo permitem a entrada gratuita com o documento. Já a Torre Eiffel, por exemplo, não aceita e você precisa pagar se quiser subi-la – o que eu particularmente acho desnecessário e expliquei o por que aqui.

Ok, eu sou maior de 26 anos ou não tenho cidadania europeia. O que posso fazer para economizar nos pontos turísticos de Paris?”

A primeira dica é checar a programação dos lugares. Aqui em São Paulo, o MASP tem entrada gratuita todas as terças-feiras. Vários museus da Europa fazem o mesmo – o ingresso para o Louvre sai de graça no primeiro sábado do mês, por exemplo! Entre no site oficial de cada atração e tente conciliar com o roteiro da sua viagem, mas levando em conta que a entrada gratuita pode fazer com que o local receba mais visitantes. 

Outra possibilidade para economizar em Paris é comprar o Paris Museum Pass, um passe que dá acesso a mais de 50 museus e monumentos da cidade luz. O valor do ticket depende da quantidade de dias que você irá utilizá-lo – dois dias, por exemplo, sai por 48 euros. Há também os tickets para quatro e seis dias, respectivamente 62 e 74 euros. Outra grande vantagem de usar o passe é que você não precisa enfrentar as enormes filas de bilheteria! Nós compramos dois (um para meu pai e um para minha mãe) no próprio aeroporto de Paris, mas você consegue ver outros pontos de venda no site oficial: www.parismuseumpass.com

Clique aqui e leia mais dicas de Paris!

Ir para Post