Entretenimento | Gastronomia

3 séries incríveis para apaixonados por gastronomia

| 19 de setembro de 2019

Não é novidade que eu amo gastronomia – e isso vai muito além do ato de comer, é claro! Amo ler sobre o assunto, pesquisar, conversar e assistir conteúdos sobre isso. No meu período de pesquisa para o TCC, mergulhei a fundo em livros, revistas, filmes e séries que abordassem o tema e que me trouxessem referências e inspirações, tanto de conteúdo, quanto de formato. Isso expandiu minha visão e me vi bem mais capacitada para falar sobre culinária, um tema que sempre adorei, mas que sigo em busca de refinamento.

Nesse momento de ler&ver tudo que eu encontrava sobre gastronomia, me deparei com três séries que valem um super destaque especial e a indicação para ocupar seu tempo livre. São leves, divertidas e, claro, tem comida envolvida!

Chef’s Table é uma série em formato de documentário produzida pela Netflix. São seis temporadas e cada episódio narra a vida de um chef, mostrando sua história, trabalho em restaurantes estrelados e até a concepção criativa dos pratos por trás do resultado final. Os restaurantes de 11 dos chefs apresentados na série entraram para a lista dos 50 melhores do mundo. Apesar de abordar essencialmente a gastronomia, a série passeia também por temas como viagem e história. Destaque para a fotografia da série: é perfeita! Os takes vão desde a compra dos alimentos até a entrega do prato ao cliente, passando pelo primoroso modo de preparo, documentado impecavelmente pelo programa. Com narrativa fluida e envolvente, é possível se inserir na história e acompanhar uma espécie de biografia sucinta do chef, que depois seguirá à culinária. Esse estilo de trama conduz o espectador e, somado à fotografia, traz dinamismo aos episódios. 

Street Food, também da Netflix, leva a mesma narrativa para a comida de rua. Ao apresentar o lado popular da alta gastronomia, a série conduz o público a uma imersão na cultura local. Os pratos caros e restaurantes refinados são deixados de lado, abrindo espaço para calçadas esfumaçadas e pequenos estabelecimentos em zonas populares. O principal aspecto desta série que a deixa tão única é a valorização da comida comum como cultura. 

Por fim, apesar de girar em torno do turismo, o programa Pedro Pelo Mundo, da GNT, insere muito bem a gastronomia como fator cultural de um país. Em seus roteiros, o jornalista Pedro Andrade viaja pelos quatro cantos do planeta e mergulha de cabeça na cultura local, conversando com os moradores e trazendo embasamento histórico. A construção dos episódios é um dos pontos mais altos, porque traz muito dinamismo ao misturar os elementos como história e alimentação, que fazem parte da expressão cultural de cada país. O mais interessante é poder ver como os sabores e ingredientes refletem nos hábitos e tradições de cada lugar. 

Clique aqui e leia mais sobre GASTRONOMIA!

Ir para Post

Gastronomia | Viagens

Cinco lugares para café da manhã na Europa

| 14 de setembro de 2019

Durante viagens, o café da manhã costuma ser a refeição que faço mais rapidamente e que exige verba menor – faz sentido por aí também?! Me preocupo em encontrar restaurantes e docerias diferentonas para o almoço e jantar, então acabo deixando de lado as pesquisas por cafés que abram cedinho. É claro que é possível encontrar opções ali mesmo, dando uma volta pela quadra do hotel ou procurando nas proximidades pelo Google Maps, mas é legal sempre ter em mente alguns lugares infalíveis, aqueles que têm filiais espalhadas por tudo quanto é canto. Aqui, indico cinco redes para você tomar café da manhã na Europa.

Eu não podia falar em cafés sem ao menos citar o Starbucks. É clássico e todo mundo conhece! Por isso nem vou me estender nele e já partir para as próximas sugestões.

Apesar de escrito em italiano, o Caffè Nero foi criado na Inglaterra e hoje já tem filiais por onze países. Outra britânica que faz sucesso é a Pret a Manger, dessa vez em francês, e que significa ‘pronto para comer’. Além dos cafés, ela também vende ótimos sanduíches. Para completar o trio das cafeterias do Reino Unido, temos também o Costa Coffee, que é a segunda maior cadeia de cafés do mundo – fica atrás apenas do Starbucks, claro.

Por fim, temos a Paul Boulangerie. A padaria francesa fundada em 1889 comercializa, é claro, itens clássicos da culinária francesa, como crepes, croissants e macarons. Hoje, pertence ao mesmo grupo da Ladurée, que faz os macarons (provavelmente) mais famosos do mundo.

Clique aqui e leia mais sobre VIAGEM!

Ir para Post

Gastronomia | Viagens

O melhor fish&chips da Inglaterra fica em Bath

| 14 de julho de 2019

Eu diria que fish and chips é a comida mais emblemática da Inglaterra. Quase todos os restaurantes servem porções do tradicional peixe com batatas fritas – o peixe geralmente é bacalhau, mas não da maneira que comemos aqui no Brasil, isso porque ele é dessalgado para depois ser frito. Alguns oferecem acompanhamentos extras e eu sugiro que você dê uma chance ao purê de ervilha – é delicioso!

Entre os vários restaurantes em que provamos o fish and chips, um se destacou: Hall & Woodhouse. Estávamos passeando por Bath sem qualquer indicação de restaurante quando nos deparamos com esse, movimentado e com comidas que pareciam deliciosas. Entramos e nossa aposta foi certeira.

fish and chips do Hall & Woodhouse custa £13,25, o que sai em torno de R$62. Como ele é bem servido e dividimos em duas pessoas, o valor sai bem em conta. Além das batatas e do purê de ervilha, o prato também acompanha um molho tártaro – fica divino com o peixe!

Minha mãe, que não curte muito batata, amou as do Hall & Woodhouse e disse que provavelmente eram as mais gostosas que já havia provado na vida! Eu assino embaixo para confirmar: elas são realmente muito boas e vale a visita se você estiver em Bath.

Hall & Woodhouse Bath 1 Old King Street

Clique aqui e leia mais dicas da INGLATERRA!

Ir para Post

Gastronomia | Viagens

Onde comer em Paris

| 20 de junho de 2019

Durante nossos quatro dias por Paris, provamos comidas deliciosas nos mais diversos restaurantes. Destaquei aqui nesse post os dois lugares que mais gostamos e que vale a pena você conhecer também! Vale ressaltar que ambos têm preços bons e estão super bem localizados. Aproveitem!

Meu roteiro na cidade luz: 4 dias em Paris

La Creperie 12 Rue Soufflot

Crepe é um clássico francês, seja doce ou salgado. Tivemos sorte de o único local em que comemos ser simplesmente incrível! O La Creperie fica pertinho do Panthéon – se você for a Paris no verão e se sentar na varanda, tem uma vista privilegiada para o monumento! Geralmente os restaurantes muito próximos a pontos turísticos são caros e a comida não é boa, mas esse foi exceção: estava tudo excelente e o preço era justo. Pedimos quatro sabores do crepe salgado, que custou 10 euros cada. De sobremesa, escolhemos um crepe doce e um waffle, ambos acompanhados de chantilly e sorvete e super bem servidos! 

Bistrot Maison Rouge 12 Rue de la Ferronnerie – Place Marguerite de Navarre

Esse restaurante foi um super achado bem em frente ao nosso hotel, o Novotel Paris Les Halles. Meu pai e meu irmão comeram boeuf bourguignon (uma espécie de picadinho francês) e minha mãe foi de linguine com champignon. Como eu não estava com muita fome, escolhi a burrata com pão e tomatinhos… Uma das mais gostosas que já provei! O crème brûlée também estava impecável: casquinha quentinha por fora, creme gelado por dentro. 

Ir para Post

Gastronomia

Dois Por Um: quais restaurantes vale a pena conhecer com o guia 2019?

| 2 de junho de 2019

Vocês já ouviram falar no Dois Por Um? É um guia pela cidade de São Paulo em que todas as atrações, restaurantes e bares oferecem promoções no formato pague um, leve dois. Conhecer lugares novos e provar comidas diferentes é algo que nossa família adora fazer, então não pensamos duas vezes em comprar o livrinho e colocar em uso quase que em todos os finais de semana! 

Até o momento, todos os restaurantes que fomos retirava o prato mais barato da conta. Alguns também têm regras mais específicas, como escolher pratos apenas de massas para entrar na promoção. De qualquer forma, o desconto realmente vale a pena! O livro custou uns 120 reais e compramos dois, porque somos em quatro pessoas. Se formos considerar que os restaurantes são bem conceituados em São Paulo e os pratos saem, em média, por 60 reais, o livro acaba sendo “pago” logo na segunda saída! Incrível, né?

A lista com todos os restaurantes, bares e atrações estão no site oficial, onde também são divulgadas as vendas do livro. Eles são super concorridos e esgotam muito rápido, então vale ficar atento por volta de novembro para conseguir seu exemplar.  

Aqui nesse post, trago os lugares que mais gostamos de conhecer por meio do livro. Vou atualizando ao longo do ano, sempre que encontrarmos algum lugar que vale a pena compartilhar com vocês. Anotem as dicas e não deixem de procurar o livro nos próximos anos!

Pecorino Cucina Mediterrânea @ Rua Natingui, 1558 – Pinheiros, São Paulo

O que comemos: Cordeiro com gnocchi de sálvia (R$65), bife ancho com risoto de champignon (R$69) e bacalhau ao forno com legumes (R$68)

Economia: R$130

MiCi @ Rua Ministro Ferreira Alves, 244 – Perdizes, São Paulo

O que comemos: Brusquetas caprese com tapenade de azeitonas com castanhas (R$23), costela suína com molho da casa e purê de mandioca com brie (R$59), bife de chorizo com manteiga de cogumelos, purê de couve-flor, lascas de parmesão e farofa de castanhas (R$69) e moqueca de pirarucu com jasmin ao coco e farofa de limão (R$64)

Economia: R$118

Jamile @ Rua Treze de Maio, 647 – Bela Vista, São Paulo

O que comemos: Cupim de sal com mandioca amarela e farofa de banana (R$78), moqueca baiana de peixe branco, com camarão e farofa de mandioca com pimenta e coentro (R$78), ragu de rabada com nhoque de batata e agrião (R$78), salmão com crosta de pistache, creme de aspargos e aspargos grelhados (R$84), doce de banana com ganache de chocolate 70%, chantilly de doce de leite e farofa de castanha do Pará (R$23) e charuto de chocolate – massa crocante de chocolate meio amargo, recheada de creme patisserie com Callebaut e sorvete de pistache (R$28)

Economia: R$156

Praça São Lourenço @ Rua Casa do Ator, 608 – Vila Olímpia, São Paulo

O que comemos: Costeleta de vitelo empanado com pão e ervas e assado no forno a lenha, acompanha nhoque de abóbora na manteiga de manjerona e picles de cebola roxa (R$89), lombo de bacalhau assado ao forno sobre camada de pimentões aromáticos, batatinhas e cebolas douradas (R$107), bife de chorizo de Angus na grelha, vegetais e batata suflê (R$95), risoto de camarão com limão siciliano e tomate crocante (R$95)

Economia: R$184

El Carbón @ Rua Pamplona, 1704 – Rooftop (4º andar) – Jardins, São Paulo

O que comemos: Fideuá (massa típica espanhola) com camarões grelhados no carvão e molho bisque (R$96), bacalhau confitado e assado no carvão, com batata, cebola e ovo cozido (R$107), Ancho ao molho gorgonzola e batatas rústicas (R$89), paleta de cordeiro com purê de cará, brócolis tostado e farofa de castanha do pará (R$89), torta Santiago com creme inglês e sorvete de panna cotta (R$28) e mini churros com doce de leite e bananada (R$28)

Economia: R$178

Ir para Post